Home Sobre a AO Profissionais de Saúde Membros ACCESO MIEMBROS

Ir para a Sessão


» Causas Comuns de Perda Dentária
» Substituição de Dentes Perdidos
» Substituição de um Único Dente
» Substituição de  Múltiplos Dentes
» Substituição de Todos os Dentes
» Pinos ou munhões e Pilares de Fixação Procedimentos Complementares
» Vantagens dos Implantes Dentários
   
» Introdução aos Implantes Dentários
   
 

em Inglês




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Procedimentos complementares


Existem muitas circunstâncias relacionadas à colocação de implantes que requerem procedimentos complementares antes, durante e depois do tratamento para guarantir as melhores chances de sucesso em longo prazo.

Alguns desses procedimentos são absolutamente necessários para a colocação dos implantes, enquanto outros são indicados para guarantir um melhor resultado funcional e/ou estético. Quanto às situações discutidas aqui, você deve conversar com o seu dentista para definir qual opção e alternativas de tratamento serão mais adequadas para as suas necessidades específicas.

Aumento Ósseo (Enxerto)

Quando há perda dentária, o osso de sustentação (osso alveolar) tende a encolher tanto vertical quanto horizontalmente. O osso alveolar sustenta os dentes e quando ele deixa de receber estímulos das forças sobre os dentes, tende a desaparecer. As áreas em que os dentes foram perdidos há muito tempo, ou onde os dentes naturais foram substituídos por dentaduras removíveis, geralmente tem uma absorção óssea tão significativa que não existe estrutura óssea suficiente para a colocação de implantes de tamanho adequado.

Da mesma forma, dentes que foram perdidos devido a periodontite (doença da gengiva) geralmente exibem uma perda óssea tão significativa  que não existe uma estrutura óssea suficiente para a colocação de implantes. Defeitos ósseos devido a infecção da raiz, fratura do dente, trauma, ou problemas na extração de dentes também podem criar uma situação em que o osso precisa ser aumentado com o uso de enxerto para que o implante possa ser colocado.

Materiais para Enxerto Ósseo

Existem muitos tipos de materiais disponíveis para enxerto ósseo e as pesquisas prometem um número ainda maior no futuro. Alguns cirurgiões podem preferir utilizar o osso do próprio paciente, coletando-o de áreas adjacentes, partes da mandíbula inferior do paciente ou coletando-o do joelho ou do quadril (duas áreas que possuem uma grande quantidade de ossos disponíveis).

Outros tipos de ossos comumente usados são derivados de ossos bovinos que são processados para remover proteínas que podem agir como estimulantes para o corpo produzir ossos novos. Ossos de cadáveres humanos (aloenxerto) também podem ser utilizados, bem como vários tipos de ossos sintéticos. Recentemente, um produto que utiliza proteína derivada da tecnologia genética recombinante (proteína óssea morfogenética) foi introduzido no mercado dentário e foi pré-aprovado nos Estados Unidos para o uso no enxerto do seio maxilar e alguns outros tipos de enxertos de cristas alveolares.

Preservação dos Alvéolos Dentais

Quando os dentes são extraídos, muitos dentistas colocam enxertos ósseos no momento da extração a fim de ajudar a manter o osso existente para que o implante possa ser colocado. Se houve destruição de partes das paredes dos alvéolos, uma preservação alveolar pode ser necessária. Essa técnica é mais ampla é usada para isolar o alvéolo e “reconstruir” as paredes com a altura e largura necessárias usando uma membrana de suporte. Durante esse procedimento, as gengivas em volta do alvéolo são separadas do osso para expor o osso remanescente e um pouco do material é colocado debaixo da gengiva. Esse material se apresenta de diversas formas, mas é usado para evitar que as células da gengiva entrem no alvéolo. Isso permite que as células ósseas que se movem mais lentamente possam crescer e preencher os alvéolos na dimensão adequada para receber o implante.

Enxerto do Seio Maxilar

Os seios maxilares são espaços ocos, cheios de ar dentro do osso acima dos dentes posteriores da mandíbula superior, entre os dentes e a órbita dos olhos, e constituem um dos cinco pares de cavidades sinusais que existem nos ossos do nosso crânio. Quando os dentes posteriores superiores (geralmente molares e pré-molares) são perdidos, a cavidade óssea localizada acima tende a se expandir e sofrer um colapso na área dos ossos da mandíbula dos dentes perdidos (pneumatização). Mesmo se os dentes ainda estiverem presentes, às vezes, não existe altura suficiente entre o alvéolo e a gengiva para permitir que sejam colocados implantes de tamanhos adequados. O enxerto do seio maxilar permite que o dentista levante o espaço da cavidade do alvéolo e coloque o material de enxerto para estimular o crescimento do osso para que os implantes possam ser colocados.

Enxertos do seio maxilar podem ser feitos numa cirurgia preliminar a fim de preparar o osso para receber o implante, ou podem ser feitos durante a colocação do implante se existir osso suficiente para estabilizar os implantes enquanto estes estão cicatrizando. Como sempre, você deve ter confiança na técnica e conhecimento do seu dentista para que se sinta confortável com a cirurgia e esteja informado de possíveis complicações. É importante revisar e discutir com o seu dentista todas as opções disponíveis antes de tomar uma decisão referente ao tipo de tratamento.

sinus graft (before) sinus graft (after)
Seio Maxilar (antes) Seio Maxilar (depois)


Elevação Sinusal por Osteótomos

Outra alternativa para aumentar a altura do osso embaixo do alvéolo é a elevação sinusal por osteótomos. Nesse procedimento, um pedaço de osso (enxerto) é deixado debaixo da cavidade do alvéolo no local do implante. Instrumentos de elevação são usados para levantar o osso retido, assim como o assoalho ou base da própria cavidade. Isso causa uma elevação do seio somente no local do implante, permitindo ao dentista a colocação de implantes de proporções mais adequadas, o que, por sua vez, fornece maior estabilidade e resistência para receber a pressão da mastigação.

Osteotome life Osteotome lift Osteotome lift
Elevação sinusal por osteótomos    


Enxerto para aumento da Crista Alveolar

Quando houve perda significativa do volume ósseo na área do implante, o seu cirurgião pode recomendar um procedimento para aumentar a crista alveolar. Esse procedimento reconstrói o “osso perdido”, o qual é necessário para dar prosseguimento ao implante. O aumento da crista alveolar pode ser feito ao mesmo tempo em que os implantes são colocados ou pode ser necessário como uma cirurgia preliminar destinada a obter enxertos suficientes antes da cirurgia de implante.

Como nos outros procedimentos de enxerto explicados anteriormente, existem vários tipos de materiais diferentes para enxerto. O tipo mais apropriado para o seu caso e a sua anatomia deve ser discutido com o seu cirurgião. Existem vantagens e desvantagens em todos os tipos de materiais, mas todos eles agem de forma a promover o crescimento do seu próprio osso. A cicatrização do enxerto de cristas alveolares pode demorar até seis meses. Se você estiver usando uma prótese removível (dentadura) na área do enxerto, poderá ser necessário evitar usá-la por algumas semanas depois da cirurgia.

Expansão da Crista Alveolar

Um procedimento adicional relacionado ao enxerto da crista alveolar é conhecido como expansão da crista alveolar. Esse procedimento também pode ser realizado durante a cirurgia para a colocação dos implantes, ou em uma cirurgia separada para preparar o local para receber os implantes de diâmetro apropriado. Em alguns casos, esse procedimento pode ser realizado através do uso de material de enxerto ósseo para manter o espaço que foi criado, ou pode ser realizado sem o uso desse material. No procedimento de expansão da crista alveolar, o osso da mandíbula na área de tratamento é dividido da frente para trás e os segmentos internos e externos do osso são separados. Este procedimento cria um espaço entre os segmentos divididos do osso da mandíbula que serão preenchidos com o osso novo. Isso permite ao dentista aumentar a largura do osso disponível para que os implantes corretos possam ser inseridos – substituindo, dessa forma, os dentes perdidos.

Enxertos de Gengiva

Com o passar dos anos, aprendemos que os implantes podem ser mais facilmente mantidos com boa saúde se houver uma quantidade adequada de gengiva (tecido gengival) na área aonde o implante será colocado. O tipo de tecido gengival mais adequado para a manutenção da saúde e resistir aos efeitos de alimentos e da escovação, é chamado de gengiva queratinizada. Esse tipo de gengiva é densa, rosada, anexada firmemente ao tecido que normalmente envolve o dente. No entanto, esse tipo de tecido é muitas vezes escasso ou inexistente, especialmente quando os dentes nesta área foram perdidos.

Enxertos de gengiva também podem ser indicados para corrigir defeitos estéticos em torno dos implantes, particularmente quando houve uma perda significativa do tecido na área de tratamento antes da colocação dos implantes. Esse procedimento é realizado cirurgicamente movendo a gengiva de alguma outra área de sua boca, geralmente do céu da boca (palato), ou através da mobilização do tecido da gengiva de uma área adjacente e deslocando-o para a área necessitada.

Ortodontia

A movimentação dos dentes pode ser necessária para a preparação e tratamento da área que irá receber o implante quando os dentes adjacentes tiverem se movimentado para dentro do espaço aberto do dente perdido. A ortodontia também pode ser indicada para proporcionar um arranjo mais adequado dos seus dentes para melhorar o sorriso e/ou mordida (oclusão) antes ou depois de seus implantes serem colocados. O seu dentista pode utilizar o próprio implante para movimentar outros dentes – um implante é um pilar ideal para fornecer suporte para que os outros dentes encostem e sejam “empurrados” para as posições desejadas.